• Pulseira Voltas do Xingu Azul Escura
  • Pulseira Voltas do Xingu Azul Escura
  • Pulseira Voltas do Xingu Azul Escura

Pulseira Voltas do Xingu Azul Escura

De R$ 60,00 por

R$ 48,00

Essa peça foi feita por Tereza Kamayurá

Materias-Primas: miçangas (contas), nylon (fibra)

Dimensões 20 cm (circunferencia)

 

 

Precificação Transparente: saiba mais aqui

 

Localização

Localização Ticuna

 

Pulseiras de miçanga

As pulseiras são feitas pelas mulheres com miçangas de vidro, buriti e algodão e trazem um enorme acervo de grafismos Kamayurá.

 

O povo Kamayurá

Os Kamayurá integram a área cultural conhecida como Alto Xingu, constituída por povos falantes de diferentes línguas que participam de um amplo sistema de trocas rituais, matrimoniais e econômicas. A história de contato com a sociedade não indígena remonta a 1884, com a expedição de Karl Von den Stein. Os Kamayurá se autodenominam Apyap. De possível origem Aruak, os termos kama e yula associados significam “mortos no jirau”, sendo genericamente aplicados pelos povos falantes dessa língua aos diversos contingentes tupi que migraram rumo à bacia dos formadores do rio Xingu. Dentro do sistema de trocas alto-xinguano, os kamayurá são considerados grandes especialistas na produção de arcos, canoas de casca de jatobá, redes de dormir e de pescar, na construção de casas e na arte das flautas jakui, interditas às mulheres, que não podem vê-las nem tocá-las.


Fontes e Bibliografia

Instituto Socioambiental / ISA)

Portal Povos Indígenas - FUNAI

Franchetto, Bruna & Heckenberger, Michael (org.). Os povos do Alto Xingu–história e cultura, Rio de Janeiro, UFRJ, 2001.